Fullmetal Alchemist
Filmes - Fantasia
Fullmetal Alchemist
(Hagane no renkinjutsushi )
  • País: Japão
  • Classificação: Não definido
  • Estreia: None
  • Duração: indisponível

Fullmetal Alchemist | Crítica

Filme com atores baseado no anime é cheio de altos e baixos

Quando a Netflix anunciou a compra dos direitos de distribuição do live-action de Fullmetal Alchemist os fãs se preocuparam. Apesar de não ser uma produção original do serviço de streaming, a associação da marca com adaptações de anime é lembrada pelo filme de Death Note - um exemplar não muito bem visto dentro da comunidade. Então, antes de qualquer coisa, é bom lembrar que esse longa não tem semelhança com Death Note em qualquer circunstância. Fullmetal Alchemist se inspira muito no anime e respeita, para o bem e para o mal, suas raízes japonesas.

A história se baseia livremente na série Brotherhood, que conta a história dos irmãos Edward e Alphonse, jovens que buscam a Pedra Filosofal para recuperar o próprio corpo após uma tentativa mal-sucedida de ressuscitar a mãe por meio de rituais proibidos de alquimia. No meio disso, o filme apresenta personagens que manipulam vários elementos, organizações criminosas também à procura da pedra e criaturas criadas a partir de uma mistura de ciência com fantasia. Várias sequências e personagens do filme são idênticas ao anime, a começar pela dupla protagonista e alguns trechos da cena final.

Em termos de fidelidade visual, não há muito do que reclamar. Apesar do exagero das perucas e dos efeitos especiais às vezes precários, a proposta é bem executada. Tudo fica dentro de um contexto lógico quando se vê as atuações caricatas e como os personagens reagem com exaltação a todo momento. É preciso assumir que a adaptação foi feita com o intuito de levar para a vida real o mesmo tom do anime. E nesse aspecto, Fullmetal é eficiente.

O roteiro tem altos e baixos, principalmente quando tenta explorar os principais dramas da obra - o relacionamento entre os irmãos e a discussão sobre vida eterna. Ed e Alphonse flutuam entre a comédia e o melodrama diversas vezes e são o coração da trama. A cena da briga entre os dois é a melhor do filme e exemplifica bem como a adaptação entende o impacto e dilema da dupla, que está presa em uma questão que vai além da recuperação dos corpos. Existe fracasso, raiva e muita culpa envolvida na relação entre eles - e isso é bem representado na tela.

Quando Fullmetal começa a misturar as organizações policiais, os cientistas e os homúnculos é que perde a mão. As explicações de planos e as justificativas dos vilões duram longos minutos, quase sempre com diálogos super expositivos. E o pior de tudo é que várias dessas justificativas poderiam ser feitas com imagens e não somente falas intermináveis. É outra característica do anime? Sim, mas essa não precisava ser transposta. O ritmo fica arrastado e dá ênfase a muito detalhe desnecessário.

Fullmetal Alchemist é uma adaptação digna e fiel às origens. Existem mudanças em relação à história original, mas elas são razoáveis e não comprometem o desenvolvimento dos protagonistas ou do núcleo principal. O maior erro do filme talvez seja se prolongar em explicações e tramas paralelas, fazendo com que a importância dos principais embates do roteiro se diluam. Por outro lado, não é nada que um fã de anime não esteja acostumado a ver em outras adaptações ou mesmo nos seriados.

Nota do crítico (Bom) críticas de Filmes
 

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus